O voto é a máxima expressão da vontade popular e o resultado das eleições é o poder soberano em uma democracia. Para tal resultado, é preciso que o eleitor tenha discernimento sobre o que quer para cidade, que conheça as propostas dos candidatos e escolha quem melhor o represente. A menos de 10 dias das eleições municipais, a Rádio Auge segue entrevistando os candidatos a vereador da coligação “Bayeux contra corrupção”, que defende a candidatura do Capitão Antônio ao executivo municipal. O Programa Fome de Política recebeu na tarde do último dia 6, os postulantes a vereador da Câmara Municipal de Bayeux, na seguinte ordem: Liro (PV), Paulo Coelho (PSL) e Socorro Rocha (PSL)

   O primeiro entrevistado foi Francisco De Assis Paulo Neto, popularmente conhecido como Liro, 33 anos, nascido e criado em Bayeux. Casado, pai da Franciele, Erick e Flávia. Nascido e criado no bairro de São Vicente. Liro é microempresário, filho de Cosmo (in memorian)- um ativista cultural que prestou diversos serviços à cidade e pela primeira vez, coloca seu nome à disposição para representar a população pelo PV (partido verde).

  Explanando sobre as bandeiras que irá defender, caso eleito, o candidato disse: “Vou defender a cultura e a saúde. Eu e meu pai fomos ativistas culturais durante muito tempo, mas por falta de apoio, paramos. É uma das bandeiras que levanto, junto à saúde do nosso município, que é precária. Eu vejo no nosso bairro, o PSF nem sequer um verificador de pressão tem. É muito triste eu estar falando isso, mas é a realidade da nossa cidade”, frisou. Liro ainda afirmou que terá um olhar diferenciado para o incentivo ao esporte infantil e feminino, pois segundo ele, a categoria não tem o apoio necessário para incentivar os atletas do município.

 Sobre o desejo de ser vereador, Liro disse que se candidatou a vereador, com a finalidade de ajudar, trabalhar pela cidade, fazê-la crescer; e por ver a necessidade do povo em ter um representante para fiscalizar a cidade, tendo em vista que os vereadores de mandato, não estão fazendo direito esse papel e, por isso, quer a oportunidade de fazer a diferença e que sua maior marca será a transparência.

Indagado pelo ouvinte Deda Marcelino, sobre projetos para a saúde, educação e infraestrutura, Liro respondeu: “Não vou falar de projeto, mas de fiscalização. Vou fiscalizar as secretarias de infraestrutura, saúde e educação. Irei fazer requerimento para que haja mais médicos nos PSFs, dentistas, ginecologistas. Na infraestrutura vou fiscalizar todas as ruas que conheço e lutarei incansavelmente por todas as áreas.

Quanto à importação de servidores públicos, Liro afirmou que se chegar a ocupar uma vaga na casa Severaque Dionísio, irá contratar servidores do município e indagou: “Será que nossa cidade não tem profissionais capacitados. Isso é manobra, é política suja desonesta. Peço aos ouvintes que fiquem de olho. Temos muitos filhos de Bayeux desempregados por causa disso. No meu mandato será diferente emprego pra quem é de Bayeux”, concluiu. O candidato visa, inclusive, que as inscrições de concurso público quando abertas, sejam destinadas apenas aos moradores da cidade.

   Por fim, Liro agradeceu o espaço no Programa Fome De Política e se direcionou aos ouvintes: “Quero dizer a vocês bayeuxense, está na hora de mudar. Não troquem votos por migalhas Prestem atenção nos candidatos que estão fazendo campanhas milionárias, de onde vai sair esse dinheiro, quem vai pagar essa conta. Bayeux não precisa de enchentes de caridade, Bayeux precisa de chuva de honestidade. Dia 15 de novembro, não esqueça o melhor pra Bayeux é Liro 43180 e Capitão Antônio 25. Vamos mudar Bayeux”, finalizou.




  O segundo entrevistado foi Paulo Sérgio de Medeiros Coelho, 47 anos, Bacharel em Direito (Maurício de Nassau), e secretário de Segurança Púbica de Bayeux, militante sindical casado com Aracely e pai de Lavínia, Jasmym e Flora, e candidato pelo PSL-Partido Social Liberal, tenta uma vaga na Casa Severaque Dionísio.

Indagado sobre como vê a área de segurança pública na cidade e quais as melhorias que poderão ser feitas, se eleito, Paulo Coelho respondeu: “Minha visão de segurança vai além da repressão, mas no financiamento de projetos de enfrentamento à violência. Uma das propostas que tenho como bandeira de luta é atualizar a legislação de Bayeux, pois a própria lei orgânica tem muitos dispositivos que vai contra a constituição, então deve sofrer um reforma ampla. Quero fazer leis que darão condições de se fazer segurança pública” ressaltou.

Sobre mobilidade urbana e ciclovias, Paulo Coelho afirmou ter um projeto para abertura de vias paralelas, que tem como finalidade diminuir o fluxo de veículos nas principais vias da cidade. O candidato também ressaltou que para determinadas situações é preciso fazer um estudo e a partir daí criar todo um plano voltado à mobilidade urbana. Paulo Coelho diz que como vereador, irá cobrar que a cidade tenha esse plano, para então ser inserida no sistema nacional de trânsito e receba verbas para maior desenvolvimento nessa área.

 Perguntado sobre a pesca e a população ribeirinha, Paulo Coelho respondeu que visitou a comunidade do torto e ficou muito sensibilizado com as pessoas que ali moram, pois não há água, energia, tampouco um saneamento básico; e que os moradores clamam, que os gestores tenham um olhar voltado a essa problemática. O candidato afirmou que levou o Capitão Antônio, seu candidato a prefeito, na comunidade e o mesmo se comprometeu de resolver os problemas enfrentados pelos moradores, já que em doze anos de invasão da área, nada foi feito por parte do poder público. Paulo Coelho também disse que é importante criar um plano habitacional, para recolocar aquelas pessoas em casas que lhes dêem condições dignas de moradia.

Sobre como vai atuar na Câmara Municipal o candidato ressaltou: “Muitos vereadores não solicitam projetos ao seu parlamentar, porque o prefeito é de oposição. A gente, quando vereador, não vai fazer isso. Vamos pedir pela cidade, independentemente do prefeito que lá esteja. Depois que acaba a eleição não existe essa coisa de oposição ou situação. Acho que se é pelo bem estar da população, a gente tem que fazer. Não vamos criar bandeira política para prejudicar quem quer que seja. Não vamos fazer esse jogo do toma lá dá cá, que é feito hoje, o que a câmara de vereadores faz com os prefeitos. Chega um projeto de lei e eles engavetam, sangram o prefeito e a população sofre com isso. Queremos fazer um projeto diferenciado na câmara, pois essa prática já acabou com a cidade”, desabafou Paulo  Coelho.

 Quanto à infraestrutura, Paulo Coelho mostrou-se indignado, pois está passando por muitas ruas e vendo que não há saneamento básico na cidade e lamenta que em pleno século XXI as pessoas vivam dessa forma. Caso eleito, o candidato, diz que irá pleitear junto ao Deputado Federal, Julian Lemos, que envie emendas para ajeitar a estrutura, o plano diretor da cidade, e assim reconstruir Bayeux , que há tempos vive no caos.

 

  Sobre a falta de emprego o candidato disse que há um número excessivo de desempregado na cidade e que é preciso fazer projetos que proporcionem emprego, renda e oportunidade. Paulo Coelho ainda disse que conhece vários grupos de jovens que vivem na ociosidade, sem oportunidades de capacitação e ajuda na busca do primeiro emprego e que, como o vereador é limitado, se fazem necessária algumas discussões para abrir esse caminho e que busquem os devidos recursos para que a dinâmica aconteça.

    Em suas considerações finais, Paulo Coelho disse: “Obrigada Márcio e todos os que participaram do programa. É uma oportunidade interessante para que as pessoas saibam o conhecimento do candidato. Queremos fazer um trabalho sério na Câmara Municipal. Queremos fazer a população entender que em Bayeux não há mais tempo para atraso, a corrupção acabou com a cidade. Temos um candidato a prefeito, Capitão Antônio com o nome limpo. Pedimos uma oportunidade ao povo, Coelho 17444 e Capitão Antônio 25, vamos juntos desenvolver essa cidade”, concluiu.




Seguindo o horário de entrevistas, a terceira e última candidata entrevistada foi Socorro Rocha Da Silva, 44 anos, Licenciada em Letras- Língua Portuguesa e Pedagogia, há oito anos presta seus serviços como professora na cidade de Bayeux e tenta uma vaga como vereadora nessas eleições pelo Partido Social Liberal (PSL)

A candidata começou a entrevista com um desabafo, enquanto professora “Eu fico triste, pois o professor é tão desvalorizado. Muitas vezes o professor não tem o político, mas tem um diploma de oito, dez anos de estudo e chega numa prefeitura, diz que deseja uma vaga e a secretária pergunta- Quem é o seu vereador? Isso me revolta. Eu acredito que a gente tem que acabar com essa falta de respeito. Em nossas cidades temos pessoas capazes. Temos professores, médicos, advogados formados que não tem a oportunidade de trabalhar aqui. Vem pessoas de outros municípios para serem secretários aqui, como se nós fôssemos incapazes. Acredito que você, ouvinte, deve olhar pra isso e se indignar junto comigo”, conclamou.

 Indagada sobre a educação- área que a candidata é atuante frisou que a educação deve ter um olhar muito estreito e cuidadoso, pois as escolas estão irregulares. Socorro Rocha afirma que as instituições não podem ofertar educação em tempo integral porque não tem a documentação para tal e que, caso eleita, irá atrás dessa resolução para organizar as escolas. A candidata enfatizou a dedicação que o professor têm com seus alunos e como acredita nos sonhos que os estudantes nutrem. Quanto à militarização das escolas, Socorro Rocha respondeu que a educação militar é excelente, pois exige disciplina do corpo docente e discente. Segundo ela, a disciplina é imprescindível em tudo o que fazemos. A candidata mostrou-se a favor da implantação de escolas cívicas militares, pois acredita que não irá prejudicar a nossa educação. Pelo contrário, com a disciplina ampliada no ambiente escolar o aluno terá mais foco para estudar, fazer concurso, ingressar numa boa faculdade e se tornar um bom cidadão.

No que se refere à cultura a candidata diz: “Acredito que devemos levantar uma bandeira a esse respeito. Quando falamos em cultura hoje, a maioria dos jovens relacionam ao CarangaFest e não é bem assim. Bayeux é uma cidade cultural com o coco de roda, o cavalo marinho, a barca, a lapinha. Nós temos aqui músicos, artistas talentosíssimos, essas pessoas estão esquecidas. Amo cultura, a arte faz parte de mim.  Meu desejo é fazer com que o movimento cultural exista na cidade de Bayeux e que os artistas sejam respeitados. Precisamos de uma gestão que faça isso acontecer” ressaltou. A candidata mostrou-se indignada pelo fato da cidade não ter um teatro, um local onde os artistas possam fazer suas apresentações. Socorro Rocha visa uma união em prol dos projetos para resgatar a cultura do município e ressalta que devemos ir atrás desses direitos.

Em suas considerações finais, Socorro Rocha agradeceu ao radialista e apresentador Márcio Paz, pelo espaço no Programa Fome De Política e continuou: “Eu quero crescer junto com você, preciso do seu apoio, quero te representar. No dia 15, vote professora Socorro Rocha 17222 e Capitão Antônio 25”, concluiu.

 

 

 

 

 

 

 Redação.

Deixe seu Comentário